quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

PLENÁRIA REGIONAL DO MÉDIO SÃO FRANCISCO

Água, terra, ambiente saudável para a vida no Médio São Francisco



A Plenária Eletiva do Médio São Francisco organizada pelo Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável do Estado de Minas Gerais debateu, no dia 7 de dezembro de 2016, na cidade de Januária, a importância do controle social e da participação popular para a defesa das políticas públicas e dos direitos da população.

Jerre representante da Cáritas de Januária, anfitrião do encontro fala da importância das organizações estarem presentes no conselho para traduzir o sentimento da população. Segundo ele, a mobilização e a comunicação são ferramentas necessárias para aproximar o povo dos seus direitos. Jerre destacou ainda que o principal problema na região é o conflito sócio ambiental pela água e por territórios para a produção de alimentos. “No Médio São Francisco está havendo uma reconcentração da terra e dos recursos hídricos pelos agro e hidronegócios, cerca de 60% da região está dominada por esses grupos econômicos. Para ilustrar sua afirmação, Jerre destacou alguns exemplos: 15 mil ha de terra estão sendo desmatadas em Chapada Gaúcha, 66 veredas de Januária foram cercadas, há sérias situações de contaminação dos rios por agrotóxicos e ameaças de morte contra lideranças envolvidas nestes conflitos. Para Jerre, todos esses fatores são ameaças concretas à saúde humana, ao meio ambiente e aos direitos humanos da população. Informa que haverá uma audiência pública prevista para fevereiro, onde se pretende discutir essas temáticas.

De acordo com Agmar, conselheiro do Médio São Francisco, o CONSEA - MG tem o direito de cobrar dos órgãos responsáveis pelas políticas públicas do semiárido. O conselheiro informou ainda que toda essa região sofre com a escassez da água e necessita melhorar a cadeia produtiva do leite e funcionamento do programa Leite pela vida. Para ele, essas são questões comuns e devem ser prioridades no diálogo do conselho na região.

Entre os encaminhamentos, foram definidos:1) que todos os presentes farão parte da mobilização para pensar o futuro da Coordenação Regional de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável, bem como preparar a próxima plenária eletiva; 2) que a próxima plenária deverá ocorrer articuladamente com a audiência pública prevista para fevereiro; 3) será preparado um documento, com a contribuição de todos os presentes para ser entregue às autoridades por ocasião da audiência pública e também aos órgãos públicos estaduais responsáveis pelas políticas públicas da região. A Cáritas ficou responsável por recolher as contribuições do município e compilar num documento único.

Neste encontro estiveram presentes 14 pessoas, representando os municípios de Januária, São Francisco, São João das Missões, Chapada Gaúcha, Cônego Marinho e Pedra de Maria da Cruz. Pela sociedade civil participaram a Pastoral da Criança Diocesana, Cáritas Diocesana de Januária, Associação Comunitária de Pequenos Produtores de Tabuado (São Francisco), Instituto Cultural Rosa e Sertão e a Cooperativa da Comunidade Várzea Grande (Vale do Peruaçú), além do conselheiro Agmar. Participou ainda representante do mandato do deputado federal Pe. João.

Belo Horizonte, 12 de dezembro de 2016.


Responsáveis pelas informações: Leo Koury e Cida Miranda

PLENÁRIA REGIONAL DO NORTE DE MINAS

“todo poder emana do povo, a participação social e o fortalecimento dos conselhos é a chave da esperança” [i]

A Plenária Eletiva do Norte de Minas organizada pelo Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável do Estado de Minas Gerais debateu, no dia 6 de dezembro de 2016, na cidade de Montes Claros, sobre a importância do controle social e da participação popular para a defesa das políticas públicas e dos direitos da população.

O Presidente do CONSEA, o Sr. Élido Bonomo palestrou sobre o contexto nacional e as ameaças aos direitos sociais, a resistência e o fortalecimento das políticas públicas de SANS e o papel do Estado e dos municípios na consolidação desses direitos. Segundo ele, o fortalecimento do SISAN é uma estratégia fundamental para fortalecer a articulação entre as esferas de governo e da sociedade civil para garantia da comida de verdade no campo e na cidade.

A Secretária Executiva da CAISANS-MG, a Sra. Beatriz Leandro de Carvalho dissertou sobre a importância da organização do SISAN nos municípios e região. Falou sobre a estratégia de articular o trabalho da segurança alimentar com as atividades do Fórum Regional de Governo e ainda sobre o processo de construção do 3º plano estadual de SANS. Segundo ela, o plano toma como base as deliberações da 6ª CESANS e também as demandas priorizadas nos fóruns regionais.

Para o presidente do COMSEA Montes Claros, Sr. Militão José dos Santos, a participação da sociedade civil é o rumo para contribuir com a política de segurança alimentar e nutricional.

Leninha representante da AMA e do CAA, dialogou sobre a luta da população do município de Montes Claros para reabrir o restaurante popular. Além disso, defende a remobilização da sociedade civil para fortalecer a segurança alimentar em toda a região. “É fundamental entender soberania e o direito humano à alimentação enquanto pressupostos fundamentais para a garantia da cidadania”.

Participaram da plenária 32 pessoas representantes dos municípios de Montes Claros, Francisco Dumont, Janaúba, Itacambira, São João do Pacuí e Jequitibá.

Participaram ainda o Secretário Executivo do Fórum Regional, o Sr. Sued Kenned Parrela Botelho a Diretora Regional da SEDESE, a Sra. Maria Soledade Queiroz Almeida Carvalho, a Secretária Adjunta da Agricultura Familiar de Montes Claros, a Sra. Helena Alves de Oliveira Filha, e o Sr. Renato Marcelo Nunes Rocha, representando o Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Montes Claros. 

Entre os encaminhamentos, foram definidos:1) formada uma comissão de mobilização para a próxima plenária, composta pela Leninha, Helena, Josiane e Cleide. Além disso, todos os presentes se comprometeram em contribuir na mobilização; 2) indicativo do mês de março para a próxima plenária.



Belo Horizonte, 12 de dezembro de 2016.

Responsáveis pelas informações: Leo Koury e Cida Miranda




[i] Leonardo Koury, Superintendente de Segurança Alimentar da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agrário 

segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

Diálogo sobre Segurança Alimentar e Nutricional com Agricultores Familiares ganha destaque em Montes Claros

Aconteceu no dia 5 de dezembro em Montes Claros o Encontro Agricultura Familiar e Segurança Alimentar promovido pela Prefeitura Municipal de Montes Claros, Conselho Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável de Montes Claros/COMSEA-Moc e a Associação de Produtores de Hortifrutigranjeiro do Pentáurea - ASPROHPEN.

A proposta foi construir junto a agricultores familiares e servidores públicos um momento de informações e experiências dos programas e ações de segurança alimentar e nutricional e os avanços e desafios das políticas públicas de SAN. A palestra principal contou com a participação de Élido Bonomo, Presidente do Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional de Minas Gerais.


Estiveram presentes além do CONSEA MG a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agrário SEDA e a Câmara Intersetorial de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável CAISANS. 

A presença dos agricultores familiares e o diálogo da importância do conhecimento é a expressão de que uma alimentação saudável se faz no fortalecimento do desenvolvimento rural sustentável. 

Fonte: Leonardo koury 

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

PLENÁRIA DO CONSEA-MG AVALIA AÇÕES DESENVOLVIDAS EM 2016

Conselheiros da sociedade civil e representantes governamentais participaram nos dias 8 e 9 de novembro, da 3ª e última Plenária Ordinária do CONSEA-MG em 2016. A Plenária teve como pauta os seguintes temas: Uma análise da conjuntura, destacando os desafios e potencialidades para a SANS em Minas,  avaliação das atividades de 2016, as diretrizes para o planejamento para 2017, Plano Estadual de SANS, participação no PPAG 2017, a aprovação da regulamentação das CRSANS, diagnóstico da SANS nos municípios, participação do CONSEA no Seminário Interconselhos, a apresentação e distribuição do Guia Alimentar da População e ainda uma escuta sobre a luta dos quilombolas de Brejo dos Crioulos, Norte de Minas.


A plenária foi coordenada pelo presidente do conselho, Elido Bonomo e pelo secretário geral e secretário de Estado de Desenvolvimento Agrário (SEDA), Neivaldo de Lima Virgílio. Contou ainda com participação de assessores dos Deputado  André Quintão e da Deputada Marília Campos, que realizaram a "Oficina da capacitação: compreender para participar da revisão do PPAG" A representante da Secretaria de Estado de Saúde, Daniela Souzalima Campos, apresentou e distribuiu o Guia Alimentar da População Brasileira.

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Programa Minas Rural destaca a transformação de uma área abandonada em horta produtiva

Produção da Emater-MG será exibida por emissoras de TV a partir deste sábado e também pode ser acessado pelo site e no Youtube
                                                                                               IMAGEM: MINAS RURAL
O Programa Minas Rural desta semana apresenta uma experiência em Lavras que prova, radicalmente, que na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma. 
Nesta edição, o telespectador também vai conferir a retomada da produção de alho, em Capim Branco, na região central de Minas Gerais. Além disso, a receita da vez é a de um pão de alho, valorizando o tempero tão apreciado no Brasil.
Pela Rede Minas você assiste ao Minas Rural no sábado, às 9h30, e, no domingo, às 12h. Na TV Horizonte o programa é exibido segunda-feira, às 7h15. O Canal AgroBrasil transmite o Minas Rural todo sábado, ao meio dia. Já no Terra Viva o programa vai ao ar bem cedinho, às 5h da manhã. Você também pode assistir ao Minas Rural pelo site www.emater.mg.gov.br ou pelo canal do Youtube (www.youtube.com/user/ematerminas).


Fonte: Agência Minas

Emater-MG apoia inserção de agricultor em processo de produção agroecológica

Novo sistema de cultivo colabora para o desenvolvimento sustentável da região e estimula o comércio justo
                                                                                                  FOTO: ARQUIVO
Um agricultor familiar do município de Fronteira, no território Triângulo Sul, está experimentando uma nova forma de cultivar e comercializar produtos agroecológicos. Com orientação dos técnicos da Emater-MG, Lucas Morais iniciou um processo de produção conhecido como Comunidade que Sustenta a Agricultura (CSA). Trata-se de um modelo de agricultura solidária em que o agricultor deixa de vender seus produtos para intermediários e conta com a participação de membros consumidores para a organização e o financiamento de sua produção. 
O processo CSA colabora para o desenvolvimento sustentável da região e estimula o comércio justo. Desse modo, os agricultores contam com um recurso garantido para produzir. Isso facilita a atividade e possibilita, ainda, que toda a família receba um valor adequado pelo trabalho. 
A produção agroecológica do agricultor começou em 2012, quando os técnicos locais da Emater-MG de Fronteira e da equipe Verde Minas, do município vizinho de Frutal, organizaram um dia de campo para repassar informações sobre o sistema de produção. A partir daí, com o esforço da equipe da empresa e apoio de parcerias, foram realizadas capacitações, reuniões e visitas técnicas à propriedade, criando um grupo de pessoas sensibilizadas e apoiadoras da iniciativa. 
Hoje, a CSA da região conta com a família de agricultores de Fronteira cultivando produtos orgânicos certificados que são entregues para 80 famílias de cotistas, sendo 90% do município de Frutal. Além da Emater-MG, a CSA conta com o apoio do Instituto Água pra Toda Vida e Universidade Estadual de Minas Gerais (Uemg), campus Frutal. Outras duas propriedades estão em processo de transição agroecológica, ou seja, produção com técnicas mais sustentáveis, também com assistência da Emater-MG.
“Esse modelo de produção é transformador, pois fortalece a agricultura familiar e os vínculos comunitários. As pessoas participam ativamente do processo produtivo, cria-se um ambiente rural totalmente sustentável e torna possível a segurança alimentar das famílias envolvidas, pois elas estão vendo de onde vem o alimento que estão consumindo”, afirma a técnica da unidade Verde Minas de Frutal, Elisângela Alves. 
A agroecologia tem como foco conservar e ampliar a biodiversidade dos ecossistemas, assegurar as condições de vida do solo que permitam a manutenção de sua fertilidade e o desenvolvimento saudável das plantas. O sistema usa espécies ou variedades adaptadas às condições locais de solo e clima, garante uma produção sustentável das culturas, sem utilizar insumos químicos que possam degradar o ambiente.
“No início, foram muitas as dificuldades em relação ao processo de comercialização, pois as pessoas ainda não têm conhecimento sobre a diferença entre a produção agroecológica e a produção convencional”, diz Elisângela.
Fonte: Agência Minas