CeasaMinas/Divulgação
Segurança alimentar terá mais apoio com o VitaVida na CeasaMinas
O Prodal conta com 160 instituições filantrópicas cadastradas, abrangendo 30 mil pessoas

A transferência do programa VitaVida, de combate ao desperdício de alimentos para a CeasaMinas, deverá ampliar o alcance das ações do entreposto na área de segurança alimentar. Essa é a avaliação do presidente da CeasaMinas, Gustavo Fonseca, que assinou o Termo de Doação com a presidente do Serviço Voluntário de Assistência Social (Servas) e coordenadora do programa, Carolina Oliveira.

Com a doação, a CeasaMinas assumirá a continuidade das ações promovidas pelo VitaVida, na desidratação e produção de mistura alimentar, incluindo coleta dos produtos, produção, logística e distribuição de forma gratuita, para a população carente.

Os alimentos utilizados pelo programa são doados por produtores e comerciantes no entreposto de Contagem, após perderem o valor comercial. O programa se destaca na desidratação de alimentos, que passam a ser aproveitados em massas, purês e pastas, por exemplo.

A doação do Servas à CeasaMinas inclui a transferência dos bens utilizados no processamento dos alimentos e em outras finalidades, tais como descascadores, câmara fria, lavadora de alta pressão, fogão industrial, computadores e móveis diversos. A sede do programa está localizada no entreposto da CeasaMinas Contagem.

Atualmente o programa está inativo. Segundo o presidente Gustavo Fonseca, em breve serão reiniciados os trabalhos do VitaVida. A ideia é fortalecer as ações do Prodal Banco de Alimentos que, desde 2002, seleciona e distribui frutas e hortaliças não comercializáveis, mas próprias para consumo humano, doadas por produtores e comerciantes.

Prodal, um banco de alimentos para entidades filantrópicas

Diferentemente do VitaVida, as doações do Prodal Banco de Alimentos são, em sua maioria, de produtos não processados, embora o programa produza polpa e minimamente processados (picados embalados a vácuo). Desde 2002, o Banco de Alimentos já doou mais de 13 milhões de quilos de produtos para entidades filantrópicas cadastradas.

O programa conta com cerca de 160 instituições filantrópicas beneficentes cadastradas, abrangendo 30 mil pessoas ao todo, distribuídas em aproximadamente 30 municípios.

Entre os benefícios para os lojistas doadores está, além da responsabilidade social, a melhoria do gerenciamento do estoque, com redução dos gastos com armazenagem e transporte dos produtos. Os doadores ainda têm a garantia de que os alimentos chegarão ao público adequado.

O evento de assinatura do termo de doação do VitaVida também contou com a presença do deputado federal Newton Cardoso Junior (PMDB/MG), que lembrou a época em que o programa ganhou grande impulso, quando presidido por sua mãe, Maria Lúcia Cardoso, então à frente do Servas. O parlamentar também manifestou sua disposição em participar efetivamente da consolidação do programa e se comprometeu a envidar esforços na busca de parcerias, bem como na obtenção de verbas governamentais.

Mix

A exemplo do Prodal, o VitaVida tem na redução do desperdício de alimentos e no fortalecimento da segurança alimentar os grandes objetivos. O descarte de alimentos ainda bons para consumo e, de outro lado, a insegurança alimentar da população são apontados pela Organização das Nações Unidas (ONU) como dois dos maiores problemas mundiais.

O composto alimentar produzido pelo VitaVida e fornecido às instituições filantrópicas de Minas Gerais é obtido por meio de um processo de desidratação de excedentes que ainda preservam grande valor nutricional.

Os compostos podem ser de mandioca, batata, cenoura e banana ou um mix com a combinação desses alimentos.

O VitaVida chegou a contar com 600 instituições em cerca de 250 municípios de Minas Gerais, aptas a receber o mix alimentar.