quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Anvisa realiza Consulta Pública sobre limites de resíduos de agrotóxicos em alimentos





Representantes do setor regulado, da sociedade civil organizada e os cidadãos têm até o dia 8 de setembro para contribuir com a Consulta Pública 57/2015. O texto trata da Instrução Normativa Conjunta entre Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) sobre a internalização de Resolução Mercosul que estabelece critérios para o reconhecimento de Limites Máximos de Resíduos (LMRs) de agrotóxicos em produtos vegetais in natura.

De acordo com a Anvisa, o regulamento proposto tem por objetivo conferir agilidade ao comércio de produtos vegetais in natura entre os países do Mercosul, sem prejuízo à saúde dos consumidores de cada país. Isso porque a proposta de norma preserva os critérios individuais de cada nação, tanto para o estabelecimento de seus próprios LMRs, quanto para o cálculo do impacto dos resíduos de agrotóxicos sobre suas populações.

De acordo com as normas vigentes sobre o tema, compete à Anvisa estabelecer o LMR de agrotóxicos nos alimentos. Já o Ministério da Agricultura é responsável pelo monitoramento de resíduos de agrotóxicos em produtos vegetais importados.

Para participar da consulta pública, clique no link: http://goo.gl/l5c9a2

Fonte: Anvisa

Link da notícia
http://goo.gl/vp69ut 

terça-feira, 25 de agosto de 2015

Conferência em Belo Horizonte discute novos desafios da segurança alimentar



Os novos desafios para garantir a segurança alimentar da população começaram a ser discutidos nesta sexta-feira (21), em Belo Horizonte (MG), na 6ª Conferência Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável de Minas Gerais. Com o lema "Comida de verdade no campo e na cidade: por direitos e soberania alimentar", o encontro reuniu representantes da sociedade civil e dos governos municipal, estadual e federal. 
Na abertura da conferência, o secretário nacional de Segurança Alimentar e Nutricional do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), Arnoldo de Campos, falou sobre a saída do Mapa Mundial da Fome em 2014 e o conjunto de políticas públicas que possibilitaram esse resultado. Ele lembrou que, graças às políticas implementadas nos últimos anos, o Brasil é referência mundial e recebe visitas frequentes de outros países. O desafio agora, ressaltou ele, é combater a obesidade e o sobrepeso. 
“Depois de superada a fome, temos que discutir como melhorar a qualidade da alimentação para que nossa população coma comida de verdade”, afirmou. Para o secretário, a conferência chama atenção para o que a população está comendo. “Devemos lembrar que comida de verdade é aquela que faz bem para saúde e tem a ver com a história do seu povo.”

Já o ministro do Desenvolvimento Agrário, Patrus Ananias, enfatizou a importância da agroecologia para a promoção da alimentação saudável. “Nós temos que produzir alimentos que promovam a saúde e a vida das pessoas, não a doença e a morte.”

Maria Emília Pacheco, presidenta do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea), lembrou que as conquistas na área de segurança alimentar, como a Lei Orgânica de Segurança Alimentar e Nutricional, resultam das conferências e da participação da sociedade civil. “A participação social é fundamental para a consolidação dessas políticas na esfera pública.” 
Fonte: Ascom/MDS

sábado, 22 de agosto de 2015

Fernando Pimentel afirma que Minas Gerais terá a melhor agricultura familiar do país


O governador participou, ao lado do ministro do Desenvolvimento Agrário Patrus Ananias, da abertura da 6ª Conferência Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional


O governador Fernando Pimentel afirmou nesta sexta-feira (21/8), durante a abertura da 6ª Conferência Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável, em Belo Horizonte, que o governo vai se empenhar para ter em Minas Gerais “a melhor agricultura familiar do Brasil”. O evento está sendo organizado pelo Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional de Minas Gerais (Consea-MG).
Na presença do ministro do Desenvolvimento Agrário, Patrus Ananias, de 360 delegados regionais que participam da Conferência representando 256 municípios mineiros, além de representantes de movimentos sociais e lideranças políticas, Pimentel destacou o trabalho desenvolvido em Minas Gerais para garantir alimentos de qualidade para a população, como a criação de uma secretaria específica para tratar do tema.
“Quero reafirmar o nosso compromisso com a causa da segurança alimentar. Nós, de fato, estamos superando a fase em que a preocupação era meramente quantitativa com a alimentação. Graças aos esforços do ex-presidente Lula (Luiz Inácio Lula da Silva) e da presidenta Dilma Rousseff, e ao empenho da sociedade brasileira, nós superamos o estágio trágico em que a fome rondava a porta de milhões de lares brasileiros”, disse o governador.
Segundo o governador, “hoje, se essa questão está sendo superada, outra questão se coloca: a qualidade da nossa alimentação. E aí a agricultura familiar tem papel fundamental. Por isso, criamos em Minas, depois de tantos anos, a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agrário que, com poucos meses, já alcançou muitos resultados”, afirmou.
Pimentel também citou a visita, na última quinta-feira (21/8), à Feira de Agricultura Familiar de Minas (Agriminas), na Serraria Souza Pinto. “Que coisa bonita ver os produtos de excelente qualidade e a população comprando. Ver que, de fato, estamos avançando e que a agricultura familiar está ocupando um espaço relevante na questão da segurança alimentar. É isso que nós queremos”, defendeu.
Durante a abertura da Conferência Estadual, foram assinados pelo governador dois termos. No primeiro, o Estado adere ao Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Sisan), com o objetivo de criar um conselho e uma câmara de gestão intersetorial no Estado para debater o tema e elaborar um plano de segurança alimentar para Minas.
A segunda assinatura trata de um Acordo de Cooperação Técnica entre Minas e a União para estabelecer medidas direcionadas à inclusão socioprodutiva para agricultores familiares, povos e assentados da reforma agrária.
O ministro Patrus Ananias ressaltou o avanço brasileiro nos últimos anos na questão do combate à fome. Em palestra durante o evento, ele destacou iniciativas tomadas quando era prefeito de Belo Horizonte e ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome na promoção das políticas públicas voltadas para a segurança alimentar.
 “Essas foram duas experiências muito marcantes. Foi nesse contexto que surgiu o Consea, no governo Itamar (presidente Itamar Franco) e foi retomado no governo Lula, passando a ter conferências. Foi aí que a questão da segurança alimentar passou a ser política pública de fato. Todo esse esforço levou, em 2014, a FAO (Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura) a retirar o Brasil do mapa da fome”, destacou.
O objetivo da Conferência é ampliar e fortalecer os compromissos políticos para a promoção da soberania alimentar, garantindo a todos o direito à alimentação adequada e saudável. Durante o encontro, que se realiza até domingo, serão eleitos os delegados que vão representar Minas Gerais no 5º encontro nacional sobre o tema, em Brasília

Avanços
Presidente do Consea-MG, Dom Mauro Morelli parabenizou o governador Fernando Pimentel pelo esforço em realizar as conferências regionais de segurança alimentar e promover o espaço da agricultura familiar dentro do governo. “Alegra-me, senhor governador, que o seu governo tenha, em um tempo muito curto, conseguido providenciar os recursos, encontrando muitos colaboradores nas várias secretarias para que, em tempo recorde, se realizassem as 25 conferências regionais de segurança alimentar e nutricional sustentável”, disse.
Já o secretário nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, Arnoldo de Campos, também secretário executivo da Câmara Interministerial de Segurança Alimentar e Nutricional, garantiu que o trabalho feito pelo governo brasileiro é um exemplo para todo o mundo. “Temos muito que comemorar. Nós conseguimos fazer com que nosso país deixasse de ser uma vergonha mundial e se transformassem em referência internacional no combate à fome”, afirmou. Segundo Campos, todos os indicadores do país nessa área melhoraram, entre eles o acesso à educação, a redução da desnutrição infantil e um melhor acesso à terra.

Também participaram do evento o diretor substituto do Departamento de Atenção Básica do Ministério da Saúde, Allan Nuno Alves de Souza, a delegada federal do Ministério do Desenvolvimento Agrário em Minas, Adriana Aranha, além dos secretários de Estado de Desenvolvimento Agrário, Glenio Martins; de Planejamento e Gestão, Helvécio Magalhães, de Trabalho e Desenvolvimento Social, André Quintão, e de Direitos Humanos, Nilmário Miranda, entre outras autoridades e lideranças.


Quase 60% dos brasileiros estão acima do peso, revela pesquisa do IBGE

Os dados mostraram ainda que a obesidade acomete um em cada cinco brasileiros de 18 anos ou mais em 2013 (20,8%), sendo que o percentual é mais alto entre as mulheres

Acúmulo de gordura abdominal foi mais frequente no sexo feminino, atingindo 52,1% das mulheres
Mais da metade da população brasileira está acima do peso (56,9 %), revelou uma pesquisa do IBGE divulgada nesta sexta-feira. Cerca de 82 milhões de pessoas apresentaram o IMC igual ou maior do que 25, estando aí incluídos os obesos. Isso indica uma prevalência maior de excesso de peso no sexo feminino (58,2 %), que no sexo masculino (55,6%). Estes percentuais incluem os portadores de obesidade.

De acordo com o estudo, o excesso de peso aumenta com a idade, de modo mais rápido para os homens, que na faixa de 25 a 29 anos chega a 50,4%. Contudo, nas mulheres, a partir da faixa etária de 35 a 44 anos a prevalência do excesso de peso (63,6%) ultrapassa a dos homens (62,3%), chegando a mais de 70,0% na faixa de 55 a 64 anos. A partir dos 65 anos de idade, observa-se um declínio da prevalência do excesso de peso, tanto no sexo masculino quanto no feminino, sendo mais acentuada nos homens, que na faixa etária de 75 anos e mais corresponde a 45,4% contra 58,3% do sexo feminino.
Os dados mostraram ainda que a obesidade acomete um em cada cinco brasileiros de 18 anos ou mais em 2013 (20,8%), sendo que o percentual é mais alto entre as mulheres (24,4% contra 16,8% dos homens). Em dez anos, a obesidade entre mulheres de 20 anos ou mais passou de 14,0% em 2003, segundo a Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF), para 25,2% em 2013, de acordo com a PNS. Entre os homens, o crescimento foi menor, de 9,3% para 17,5%. O acúmulo de gordura abdominal também foi mais frequente no sexo feminino, atingindo 52,1% das mulheres e 21,8% dos homens. O oposto ocorre em relação à pressão arterial, cuja elevação foi mais comum entre os homens (25,3%) que entre as mulheres (19,5%), atingindo 22,3% da população no momento da entrevista.

Uma em cada quatro mulheres de 18 anos ou mais de idade (24,4%) era obesa em 2013, enquanto, entre os homens, o percentual era de 16,8%. Isso significa que essas pessoas tinham índice de massa corporal (IMC) maior ou igual a 30, obtido através da divisão do peso pelo quadrado da altura. A obesidade chegou a 32,2% nas mulheres com idade de 55 a 64 anos, contra 23,0% nos homens.

Já o déficit de peso em adultos com 18 ou mais anos foi de 2,5 % (2,1% para homens e 2,8% para mulheres), ficando abaixo do limite de 5,0% esperado em qualquer população para indivíduos constitucionalmente magros. A estratificação da população adulta por grupos de idade indica que a prevalência de déficit de peso só ultrapassa os 5,0% apenas para mulheres com idade entres 18 e 24 anos (6,8%), sendo que para os homens desta faixa etária a prevalência de déficit de peso (4,6 %) é a maior dos grupos de idade, porém não chega a 5,0%. Indicando com isso a não exposição à desnutrição da população adulta, como um todo.

Mais da metade das mulheres tinham a circunferência da cintura aumentada

Enquanto 52,1% das mulheres tinham uma circunferência da cintura maior ou igual a 88 cm, o que caracteriza obesidade abdominal, 21,8% dos homens media 102 cm ou mais nessa parte do corpo. O excesso de gordura abdominal está associado ao risco de doenças cardiometabólicas, como obesidade, diabetes e hipertensão arterial. Com relação à circunferência da cintura aumentada por grupos de idade, observa-se que conforme aumenta a idade ela tende a ficar mais elevada, tanto no sexo feminino quanto no masculino, ultrapassando 70,0% das mulheres acima de 55 anos de idade e a 35,0% no caso dos homens.

Em dez anos, obesidade feminina passa de 14% para 25,2%

Entre 2003 e 2013, a obesidade entre mulheres de 20 anos ou mais de idade passou de 14,0% (de acordo com a POF 2002-2003) para 25,2% (segundo a PNS), um aumento de 11,2 pontos percentuais (p.p.). Entre os homens, houve um menor crescimento, de 9,3% para 17,5%, uma diferença de 8,2 p.p. Em relação ao excesso de peso, também houve um aumento contínuo tanto para os homens (de 42,4% para 57,3%) quanto para as mulheres (de 42,1% para 59,8%). Por outro lado, houve declínio contínuo do déficit de peso, tanto para homens (de 2,8% para 1,9%) quanto para mulheres (de 4,9% para 2,5%).


Três em cada dez bebês brasileiros tomam refrigerante antes dos dois anos

Pesquisa realizada pelo IBGE mostrou ainda que o Índice de sobrepeso dos brasileiros passou de 42,4% para 57,3%, no caso dos homens, e de 42,1%, para 59,8% no das mulheres

·         

Publicação:21/08/2015 


Seis em cada dez crianças brasileiras com menos de dois anos já comeram biscoito, bolacha ou bolo e 32% já beberam refrigerante ou suco industrializado. Esses alimentos só devem ser consumidos depois dessa idade, e com moderação, segundo orientam nutricionistas e pediatras. As informações são da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS) 2013, realizada em parceria com o Ministério da Saúde e cujos resultados estão sendo divulgados nesta sexta-feira, 21, no Rio de Janeiro. Os pesquisadores percorreram 62.658 domicílios de todo o país em 2013 e aplicaram questionários sobre deficiências, saúde dos idosos, das mulheres e das crianças com até 2 anos.

A publicação traz também dados alarmantes de peso, gordura abdominal e pressão arterial da população adulta. Uma comparação entre as Pesquisas de Orçamentos Familiares (POF) realizadas pelo IBGE nos períodos 2002/2003 e 2008/2009 com a PNS 2013 mostra a evolução do sobrepeso e da obesidade dos brasileiros de mais de 18 anos: de 2002 a 2013, o índice de brasileiros com sobrepeso passou de 42,4% para 57,3%, no caso dos homens, e de 42,1% para 59,8%, no das mulheres; a obesidade passou de 9,3% para 17,5%, entre os homens, e de 14% para 25,2%, entre as mulheres.
utro dado levantado é sobre o aleitamento materno: apenas 49,4% dos bebês ainda eram amamentados pelas mães entre nove e doze meses, quando o recomendado pelo Ministério da Saúde é que a amamentação vá até os 2 anos, pelo menos. O leite materno, entre outros benefícios, protege as crianças de síndromes metabólicas.

Ainda sobre crianças, o IBGE levantou que 24,1% dos bebês com 1 ano não haviam tomado as doses da vacina tetravalente, que evita difteria, tétano, coqueluche e meningite. Verificou também que os exames neonatais precisam ter cobertura maior: 29,2% dos recém-nascidos não fizeram o teste do pezinho na primeira semana de vida (o teste identifica precocemente doenças metabólicas, genéticas ou infecciosas), 44% não fizeram o da orelhinha no primeiro mês (para detecção de surdez congênita) e 48,9% não fizeram o do olhinho no primeiro mês (para constatação de alterações oculares).


segunda-feira, 17 de agosto de 2015

Servidores aprovam barracas de alimentos saudáveis na Cidade Administrativa





Pelo menos 15% das crianças mineiras apresentam algum grau de obesidade, segundo estudos apresentados pela Secretaria de Estado da Saúde Em sua maioria, os casos são provocados pelos maus hábitos alimentares. Diante deste quadro, o Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional de Minas Gerais (CONSEA-MG) promove até o dia 20 de agosto a Semana de Segurança Alimentar na Cidade Administrativa de Minas Gerais.

No primeiro dia de exibição dos filmes, os servidores puderam também participar de uma “roda de conversa” sobre o tema com nutricionista e secretária executiva da Câmara Intersetorial de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável (CAISANS), Beatriz de Carvalho e logo em seguida, visitar as barracas de alimentos saudáveis.


Segundo Beatriz, a receptividade dos participantes foi muito boa e muitos ficaram chocados com as informações sobre a quantidade de açúcar e gordura em muitos alimentos aparentemente inofensivos. “Esses filmes despertam as pessoas para o consumo e a influência da propaganda na nossa vida”, comentou.


Para o servidor Wagner Moreira, da Prodemge, a iniciativa é muito bem vinda e deveria ser feita sempre para alertar a todos sobre os malefícios da alimentação inadequada. “Temos um dia muito corrido e nem sempre percebemos o quanto estamos nos alimentando mal”, informou.



Rita Nascimento, da Secretaria Estadual da Fazenda, comentou que a oportunidade de adquirir produtos saudáveis foi muito boa e que ficou curiosa em saber todas as receitas dos alimentos apresentados como patês, geleias e tortas. Todos feitos com frutas, legumes e verduras em sua totalidade, ou seja, com aproveitamento total dos alimentos.




Para Gabriel Albino também da Secretaria da Fazenda, essa iniciativa deveria ser permanente. “Já temos a feira de agricultura familiar aqui toda semana e queria que essas barracas também fizessem parte da feira toda semana. Tenho dificuldades em encontrar alimentos saudáveis e desta forma seria ideal. Eu já tenho a preocupação de seguir os hábitos saudáveis e mantendo as barracas aqui, facilitaria e muito a manutenção desta rotina”, acrescentou.


A expositora Paloma Gabriela mal conseguia falar, tamanha a procura pelas quitandas que trouxe da Economia Solidária. “Estamos vendendo bem e as pessoas querem saber de cada detalhe, de como podem aproveitar todo o alimento, inclusive as cascas. Quase todos os produtos foram vendidos em minutos”, completou.

Já a expositora Maria da Conceição, do Fórum Mineiro de Economia Solidária, disse que pretende voltar sempre, tamanha a empolgação que ficou com a receptividade dos servidores estaduais. “   Quero vir mais vezes e ter a oportunidade de mostrar que com criatividade, podemos produzir alimentos saudáveis e muito gostosos”,finalizou.



A semana da Segurança Alimentar vai até o dia 20 de agosto com exibição de curtas abordando a importância da sustentabilidade, da agricultura familiar, da adoção de bons hábitos alimentares e os riscos dos alimentos ultra processados para a saúde das pessoas, em especial às crianças e adolescentes.