CONSEA-MG se reúne com conselheiros de Ipatinga

Ipatinga, a 210 quilômetros de Belo Horizonte, vem se esforçando em implantar no município uma política pública expressiva voltada para a agricultura familiar, fortalecendo assim, a alimentação escolar nas escolas públicas.  

Mesmo sendo uma cidade tipicamente voltada para o comércio e a indústria, ela se destaca no cumprimento da lei 11.947 de 2006 da Alimentação Escolar,  que estabelece o mínimo de 30% na compra de alimentos da agricultura familiar para o abastecimento das escolas públicas. São adquiridos mais de 56% dos produtos e com a contrapartida do município.

Esse foi um dos assuntos abordados hoje (25 de abril), durante uma reunião que contou com  a participação de representantes das secretarias municipal de Saúde, Educação, Segurança Alimentar, Desenvolvimento Social, Desenvolvimento Econômico,  dentre outros. A reunião foi realizada no gabinete da Prefeitura de Ipatinga.

Segundo o assessor técnico do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável de Minas Gerais (CONSEA-MG), Bruno Mello, o encontro foi importante para conhecer a atuação do Conselho Municipal de Segurança Alimentar, assim como as articulações com os demais conselhos de políticas públicas. “É importante nos reunirmos e trocarmos experiências exitosas, reforçando também a necessidade de divulgar o trabalho que vem sendo desenvolvido aqui”, comentou.

A representante da Secretaria Municipal de Educação, Euza Maria Lopes Abelha, ressaltou que  os municípios de Inhapim e Iapu têm sido fundamentais para o abastecimento do mercado regional com os produtos da agricultura familiar e a prefeitura de Ipatinga tem feito inúmeras parcerias.

O secretário executivo do CONSEA-MG, Walney de Souza Martins elogiou os trabalhos que veem  sendo desenvolvidos pelo Conselho Municipal e ressaltou a importância das parcerias. “É preciso estimular o sociativismo e a coletividade para reforçar os programas que são desenvolvidos no município”, destacou.

Segundo os representantes da Seção de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável de Ipatinga (SESANS), estão em fase de implantação o Banco de Alimentos, um projeto de Educação Alimentar e das cozinhas comunitárias.

Rio de Janeiro recebe Feira da Agricultura Familiar





O Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), em parceria com o Instituto Latinoamerica, realiza no Rio de Janeiro, a 8ª edição da Feira Nacional de Agricultura Familiar e Reforma Agrária – Brasil Rural Contemporâneo, entre 06 e 10 de junho de 2012.  

Desde 2004, o MDA realiza a Feira Nacional de Agricultura Familiar e Reforma Agrária. Até o momento foram realizadas sete edições, sendo cinco em Brasília/DF e duas no Rio de Janeiro/RJ, na Marina da Glória.

Em todas as edições o objetivo foi a divulgação, a promoção e a comercialização de produtos oriundos da agricultura familiar e da reforma agrária, beneficiários das políticas públicas do MDA.
Fonte: Instituto Latinoamerica


Cúpula dos Povos terá cardápio especial e livre de agrotóxicos


As cerca de 10 mil pessoas que irão ao Rio de Janeiro em junho para participar dos debates e atividades da Cúpula dos Povos e ficarão acampadas em locais determinados pela prefeitura, como o Aterro do Flamengo, o Sambódromo e escolas públicas, vão dispor de um cardápio composto por frutas, legumes e cereais - produzido por pequenos agricultores do próprio estado e de regiões vizinhas.

Segundo o representante da Via Campesina no Comitê da Cúpula dos Povos, Marcelo Durão, o evento será uma oportunidade de levar as práticas sustentáveis no campo para além dos debates.

Organizada pela sociedade civil global, a Cúpula dos Povos é um evento previsto para o período de 15 a 23 de junho, no Rio de Janeiro, paralelo à Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20.

“A lógica é apresentar, além de todo o debate, soluções concretas que vêm sendo implementadas pelos povos, pelos movimentos e organizações sociais. E a produção da agricultura familiar é uma grande resposta à falsa solução do agronegócio", disse Durão. Ele informou que, por isso, a compra desse tipo de produto terá prioridade. "Vamos montar algumas cozinhas e abastecer os cerca de 10 mil a 12 mil participantes que vêm morar no Rio nesse período com produtos livres de venenos”.

Marcelo Durão explicou que a compra dos alimentos será feita nos moldes do Programa de Aquisição de Alimentos, da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), com recursos do Ministérios do Desenvolvimento Agrário (MDA) e do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS). Pelo programa, são adquiridos alimentos produzidos por associações e cooperativas de agricultores familiares para abastecer instituições públicas, como escolas, creches e asilos brasileiros. O pagamento é feito diretamente aos agricultores registrados.

Durante o evento, os alimentos serão preparados com base em receitas dos próprios agricultores, que deverão contar também com movimentos de economia solidária para o preparo das refeições.

Fonte: Agência Brasil

Blog do CRSANS TRIÂNGULO 2                                                                                      

IPATINGA SEDIA SEMINÁRIO REGIONAL DO PROGRAMA CULTIVAR, NUTRIR E EDUCAR



Ipatinga sediará, nos dias 25 e 26 de abril, o Seminário Regional do Programa Estru-turador Cultivar, Nutrir e Educar. Esse será o segundo dos quatro encontros que acon-tecerão no Estado. Os próximos serão rea-lizados em Viçosa (dias 9 e 10 de maio) e em Capelinha (nos dias 30 e 31 de maio). O encontro envolverá a participação de 10 municípios da região do Rio Doce.
O primeiro dia do evento terá palestras do presidente do Conselho de Segurança Ali-mentar e Nutricional Sustentável de Minas Gerais (CONSEA-MG) - que abordará o tema “Binômio Educação e Nutrição: Direi-to Humano à Alimentação Saudável, Ade-quada e Solidária” – e a secretária executi-va do Comitê Temático de Segurança Ali-mentar e Nutricional Sustentável, Jaqueli-ne Junqueira. Ela apresentará o “Programa Cultivar, Nutrir e Educar”.
Os desafios da execução da Lei 11.947/09 serão apresentados pelo Superintendente de Agricultura Familiar da Subsecretaria de Agricultura Familiar (SAF), José Antônio Ri-beiro (T’sé). Logo em seguida, será apre-sentado o tema “Processo da Alimentação”, pela gerente de Processo da Secretaria Es-tadual de Educação (SEE), Valéria Monteiro.
Serão apresentados ainda o “Fortalecimento da Agricultura Familiar pa-ra o Abastecimento Alimentar, pela gerente de Projeto da SAF, Ignes Botelho Figueire-do Marias e as “Estratégias Nutricionais de Promoção à Saúde, pelo gerente de projeto da Secretaria Estadual de Saúde (SES), Marcelo Mascarenhas Corrêa.
O evento está sendo executado pela Se-cretaria Geral da Governadoria por meio da Secretaria Executiva do Comitê Temáti-co de Segurança Alimentar e Nutricional (CTSANS), Secretaria de Estado da Edu-cação (SEE) através da Subsecretaria de Administração do Sistema Educacional, Secretaria de Estado da Saúde (SES) atra-vés da Subsecretaria de Vigilância e Prote-ção à Saúde e Secretaria de Estado da Agricultura, Pecuária e Abastecimento por meio da Subsecretaria de Agricultura Fa-miliar (SAF/SEAPA).
PROGRAMA
O Programa Cultivar, Nutrir e Educar tem por objetivo Garantir o Direito Humano à Alimentação Saudável, Adequada e Soli-dária, contemplando o binômio Educação e Nutrição para os alunos das escolas públi-cas estaduais de educação básica, poten-cializando a alimentação escolar, fortale-cendo a agricultura familiar e promovendo a educação alimentar e nutricional.
Segundo a secretária executiva do CT-SANS, Jacqueline Junqueira, além de a-presentar o programa, o seminário visa promover a interlocução com os atores lo-cais envolvidos (sociedade civil e governo) para implementação das ações nos muni-cípios que iniciarão o programa em 2012.
O Programa tem como estratégia a arti-culação entre as Secretarias de Estado executoras e demais órgãos e setores envolvidos, por meio de execução de a-ções das seguintes vertentes: fomento à produção de alimentos saudáveis, ade-quados e solidários, provenientes da a-gricultura familiar para o abastecimento da Rede Pública Estadual de Ensino; o atendimento parcial às necessidades nu-tricionais dos alunos, de acordo com o tempo de permanência na escola; a pro-moção da educação alimentar e nutricio-nal; a identificação de distúrbios nutricio-nais e encaminhamento para atenção básica e a promoção de ações educati-vas em vigilância sanitária de alimentos.


 



http://www.youtube.com/watch?v=jB8cW9LAjcE
Grande representatividade garante sucesso do  Primeiro Seminário
Estadual da Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela Vida

(17 de abril de 2012)



No último final de semana, 14 e 15 de abril, Belo Horizonte foi sede do I Seminário Estadual da Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e pela Vida, realizado no Centro de Formação da Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado de Minas Gerais (Fetaemg).  Com participação ativa do mandato do deputado federal Padre João — que integra as coordenações estadual e nacional da Campanha —, o encontro contou com a participação de mais de 150 pessoas de todas as regiões do estado de Minas Gerais. 

No sábado, foram realizadas duas mesas redondas. A primeira, com o tema “Questão Agrária, Questão Ambiental e o uso de Agrotóxicos”, foi coordenada pelo assessor do mandato, Francis Guedes e teve como palestrantes: Cleber Folgado, do Comitê Nacional da Campanha e Sílvio Neto, do MST. A outra, com o tema “Os Efeitos dos Agrotóxicos sobre a Saúde do Trabalhador e da População”, foi coordenada por Joyce Andrade, do Conselho Regional de Nutricionistas de Minas Gerais (CRN-MG). As palestras desta mesa redonda ficaram por conta de Daniela Jorge, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e Eliane Novato, do Grupo de Estudos em Saúde e Trabalho Rural da UFMG (Gestru-UFMG). Houve, ainda, momentos para trabalhos em grupo e apresentação das propostas elaboradas pelos mesmos. À noite, o entretenimento ficou por conta da “Feira de troca: causos e coisas”. 



Grande representatividade

O sucesso do I Seminário Estadual da Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e pela Vida deveu-se, principalmente, à grande representatividade dos participantes. Estiveram presentes, dentre outros, representantes do(a):

- Secretaria de Agricultura do Estado de Minas Gerais;

- Subsecretaria de Agricultura Familiar da Secretaria de Agricultura do Estado de Minas Gerais;

- Secretaria de Estado de Meio Ambiente;

-  Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável de Minas Gerais (CONSEA-MG);

- Instituto Mineiro de Agroecologia (IMA);

- Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST);

- Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB);

- Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA);

- Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado de Minas Gerais (Fetaemg);

- Centro de Tecnologias Alternativas (CTA);

- Rede de Intercâmbio de Tecnologias Alternativas; 

- Centro Agroecológico Tamanduá (CTA) 

- Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia (IFET) de Muriaé;

- Instituto Federal (IF) Sul, de Machado;

- Federação dos Estudantes de Agronomia do Brasil (FEAB);
 
- Ruralminas;
 
- Sindicatos dos Trabalhadores Rurais (STRs) de toda MG;
 
-além de membros dos comitês regionais da Campanha, agricultores, assentados e outras organizações não governamentais que trabalham com a agroecologia.
 
"
 
"
 

 Fonte: Ascom Deputado Padre João

Abertas inscrições para curso de massas em Araxá

Os interessados devem se inscrever até o dia 20 de abril.


Do G1 Triângulo Mineiro

O Conselho Municipal de Segurança Alimentar de Araxá (Comsea) abriu inscrições para um curso de massas. Os interessados devem procurar a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Humano, que fica na Avenida Getúlio Vargas, nº 170, Centro, em horário comercial.

As inscrições terminam no dia 20 de abril e podem participar pessoas de baixa renda e beneficiários dos programas sociais do Governo Federal, como o Bolsa Família. O curso será realizado de 23 a 26 de abril, das 13h30 às 15h, também no prédio da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Humano.

O Comsea oferece, anualmente, treinamentos, oficinas e cursos de alimentação e nutrição. O objetivo é capacitar a população e formar agentes multiplicadores para que eles possam desenvolver em casa práticas alimentares saudáveis e sustentáveis.

Esse é o quarto ano consecutivo que o Conselho Municipal de Segurança Alimentar de Araxá oferece os cursos. No ano passado, mais de 200 pessoas participaram das capacitações. Para este ano estão previstos sete módulos. Confira o cronograma:

- Abril: curso de massas;
- Maio: curso de reaproveitamento;
- Junho: curso de sopas e caldos;
- Agosto: curso de saladas;
- Setembro: curso de aproveitamento de sobras;
- Outubro: Cozinha Brasil;
- Novembro: curso de comida de boteco.




   
18/04/2012 12h56 - Atualizado em 18/04/2012 12h56

Alunos com restrições recebem lanche diferenciado em Uberlândia, MG

Nutricionistas atendem alunos que têm algum tipo de alergia ou doença

Do G1 Triângulo Mineiro
Merenda é servida de acordo com a necessidade de cada criança (Foto: Reprodução/TV Integração)
Merenda é servida de acordo com a necessidade
de cada criança (Foto: Reprodução/TV Integração)
 
O Programa Municipal de Merenda Escolar oferece um lanche diferenciado para crianças, em Uberlândia. Nutricionistas atendem de forma nivelada aquelas que têm alguma restrição alimentar ocasionada por algum tipo de alergia ou doença e não podem receber o mesmo lanche que as demais.
Segundo a diretora Adriana Mariano, para que nenhuma criança seja excluída as escolas de educação infantil estão preparando cardápios específicos que atendam todos os alunos. “Para cada restrição da criança nós temos o cuidado de preparar uma refeição que atenda suas necessidades. Colocamos a criança separada das demais, que também necessitam de uma alimentação diferenciada, para ela não se sentir excluída”, explicou.
A filha de Nádia Ribeiro, de apenas dois anos, adora comer bolo no lanche, mas devido à intolerância a lactose não pode ingerir nada que tenha leite. “Ela fica com o corpo todo empolado e com febre e como começa a fechar as amídalas ela tem que tomar o antialérgico ou correr para o médico”, disse.
De acordo com a diretora do programa municipal de merenda, Julieta Carvalho, o trabalho envolve todos da escola. “O nome da criança fica afixado na cantina com as restrições que ela tem e as orientações são passadas pela nutricionista para a merendeira na hora de fazer o lanche”, disse.
A cozinheira Erivânia Silva disse que o projeto é um alívio. “Eu trabalho tranquila por que eu sei que deixando minha filha na escola ela vai ser bem alimentada e com a restrição que ela necessita”, comentou.

Novo modelo de execução do PAA ficou mais simples


Data: 18/04/2012

O modelo de convênios pelo qual estados e municípios firmaram parceria dentro do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) será substituído gradativamente por termo de adesão. O novo modelo de execução do PAA é mais fácil e desburocratizado, de acordo com a secretária nacional de Segurança Alimentar e Nutricional do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), Maya Takagi, que apresentou a mudança durante teleconferência exibida pela TV NBR, na última segunda-feira (16).

A meta do ministério para este ano é atender, por meio do PAA, 158 mil famílias. O orçamento do programa para executar a ampliação é de R$ 1,3 bilhão, envolvendo recursos do MDS e do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA). A redução na burocracia facilita a inclusão de famílias agricultoras em situação de extrema pobreza, ou seja, com renda per capita mensal de até R$ 70.

De acordo com a secretária, após a aceitação do termo de adesão, estados e municípios serão responsáveis por cadastrar os agricultores, apoiar a logística de distribuição dos produtos, fornecer os dados das entidades que receberão os alimentos e incluir no sistema as informações sobre a produção.

A partir disso, eles serão pagos diretamente em uma instituição bancária oficial por meio de uma conta benefício, que terá um cartão específico para sua movimentação. “Não haverá necessidade de o agricultor abrir conta corrente. O pagamento será feito pela União, por meio do MDS, diretamente no cartão do fornecedor do PAA”, explica a secretária.

A mudança será gradativa e não haverá descontinuidade, mas sim expansão de recursos para todos os parceiros executores, disse Maya Takagi. “Os convênios atuais continuam até o final de sua vigência”, garantiu a secretária. Somente os novos compromissos serão estabelecidos por meio de termo de adesão.

O PAA é uma das principais ações de inclusão produtiva rural do Plano Brasil Sem Miséria. Seu objetivo é garantir o acesso a alimentos em quantidade e regularidade necessárias às populações em situação de insegurança alimentar e nutricional. Contribui também para a formação de estoques estratégicos, além de promover a inclusão social no campo.

O programa é executado por meio de parcerias com a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), governos estaduais e municipais e, agora, também, com consórcios públicos. O PAA é operado de quatro formas: compra direta, formação de estoques pela agricultura familiar, incentivo à produção e consumo de leite e compra com doação simultânea.

Os estados e municípios poderão pedir a inclusão no novo modelo de execução por meio do sistema informatizado do programa, o Sispaa. Ele gerará um termo de adesão que deve ser enviado ao MDS.

Para acessar o sistema é preciso ser um gestor designado pelo estado ou município e fazer o cadastramento do usuário mandando um e-mail com informações de identificação como nome, cargo, endereço completo e CPF para o endereço sispaa@mds.gov.br.

Acesse aqui a Resolução nº 45, publicada no Diário Oficial da União da última segunda-feira (16).

Fonte: Secom


CPCE tem nova coordenação

 
A Comissão de Presidentes de Conselhos Estaduais de Segurança Alimentar e Nutricional (Conseas) tem nova coordenação na gestão 2012/2013. A nova coordenadora é Katia Cilene de Mendonça Almeida, presidenta do Consea-AP.
Também foram escolhidas para a coordenação Dulce Terezinha Oliveira da Cunha e Norma Sueli Marques da Costa Alberto, presidentes dos Conseas Goiás e Piauí respectivamente.
A comissão de presidentes estaduais é uma instância do Consea Nacional. Um dos objetivos desse grupo é o intercâmbio de idéias, experiências e estratégias, visando a consolidação do Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Sisan).
Fonte: Ascom/Consea
 

Presidente do Consea pede rigor com os transgênicos 



Em discurso de posse como presidente do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (CONSEA), Maria Emília Lisboa Pacheco defendeu ontem, no Palácio do Planalto, a "restauração" da preocupação do governo com os produtos geneticamente modificados.

"É socialmente inaceitável que o mercado seja o regulador das decisões tecnológicas. A consciência dos consumidores e a manifestação de suas incertezas devem ser consideradas. Defendemos a rotulagem obrigatória de todos os alimentos transgênicos, assegurando ao consumidor o direito à informação", afirmou a nova presidente do consea diante da presidente Dilma Rousseff, no Palácio do Planalto.

Criado em 2003, o consea tem caráter consultivo e auxilia a Presidência da República na formulação de políticas e diretrizes ligadas ao direito à alimentação. A posição crítica de Maria Emília sobre os transgênicos contraria a posição defendida pelo novo presidente da Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio), Flávio Finardi Filho.

Em entrevista ao Valor, Finardi declarou considerar necessário "ter mais organismos geneticamente modificados para que seja garantido o aumento da produção na agricultura e a saúde dos animais".

Há um embate ideológico no governo em relação aos transgênicos que se arrasta desde 1997, quando a CTNBio autorizou a comercialização da soja produzida pela multinacional Monsanto.

A nova presidente do consea também pediu que o governo mantenha o veto à utilização da chamada tecnologia genética com restrição de uso (GURT), defendida pelos produtores rurais. Essa manipulação produz sementes estéreis e seria utilizada para manter a capacidade produtiva das plantas, muitas vezes afetada pelo florescimento.

Pelo menos dois projetos em tramitação no Congresso Nacional pretendem derrubar a proibição: um do deputado Luis Carlos Heinze (PP-RS) e outro da senadora Kátia Abreu (PSD-TO), ambos representantes da influente bancada ruralista no Congresso.

Notícia extraída na íntegra do jornal Valor Econômico, de 18.4.2012

Fonte: Jornal Valor Econômico

Maria Emília Pacheco é primeira mulher a
presidir Conselho de Segurança Alimentar



 
A antropóloga Maria Emília Pacheco será a primeira mulher a presidir o Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea). A cerimônia de posse foi realizada às 15h da última terça-feira, 17, no Salão Oeste do Palácio do Planalto, em Brasília (DF), com a presença da presidenta Dilma, ministros de Estado, diversas autoridades e convidados. Na oportunidade também serão empossados os novos conselheiros titulares e suplentes para o biênio 2012-2013.

Na última reunião plenária do Consea, realizada no início do mês, os conselheiros escolheram o nome de Maria Emília para indicação à presidenta Dilma, a quem cabe a nomeação.

Perfil
Maria Emília nasceu em Leopoldina (MG) em 1948, é formada em Serviço Social pela Faculdade de Serviço Social de Juiz de Fora (MG) e possui mestrado em Antropologia Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Ela integra a Federação de Órgãos de Assistência Social e Educacional (Fase), o Fórum Brasileiro de Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (FBSSAN) e a Articulação Nacional de Agroecologia (ANA).

Maria Emília integrou a equipe que implantou o Instituto Nacional de Alimentação e Nutrição (Inan) em Minas Gerais. É anistiada política desde maio de 2009. Ela é conselheira do Consea desde 2004.